16/11/2016 às 20h11min - Atualizada em 16/11/2016 às 20h11min

Após punição ao Grêmio, filha de Renato é hostilizada na internet

Clube gaúcho foi punido com perda de mando de campo na final da Copa do Brasil

NOTÍCIAS AO MINUTO
© Reprodução / Instagram

Logo depois do anúncio da punição do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) com perda de mando de campo para o Grêmio para o segundo jogo da final da Copa do Brasil, contra o Atlético-MG, e do pagamento de multa de R$ 30 mil, parte da torcida se revoltou e hostilizou Carol Portaluppi no Instagram.

Tudo aconteceu porque a filha do técnico Renato Gaúcho entrou no gramado da Arena antes do fim da partida semifinal diante do Cruzeiro, informa o Globo Esportes.

Renato chamou a sua filha nos minutos finais da partida, que marcou a classificação gremista para a final contra o Galo. A moça aguardava no túnel da zona mista da Arena e foi conduzida ao campo por um segurança. Sentou no banco de reservas e, logo depois, o árbitro apitou o final da partida. A filha foi à beira do campo e fez um vídeo da festa e dos jogadores dentro do gramado.

Na rede social, algumas pessoas hostilizaram Carol Portaluppi por conta da punição ao Grêmio. Além de xingamentos pessoais, críticas duras foram feitas pela postura dela de ter entrado em campo.

"Obrigado por invadir o gramado e fazer o Grêmio perder o mando de campo!! Conseguiu chamar a atenção que queria!", escreveu um torcedor.

Alguns tentaram defendê-la: "Que culpa a guria tem? O Grêmio vai recorrer com efeito suspensivo! Bando de ignorante", disse outro.

Após o árbitro Thiago Duarte Peixoto relatar a presença na súmula, o Grêmio foi denunciado no STJD e enquadrado no artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) por “deixar de prevenir e reprimir invasão de campo ou local da disputa do evento”.

Em seu Twitter oficial, o Grêmio informou que vai recorrer da punição. Segundo o diretor jurídico do clube, Nestor Hein, o clube deve entrar com pedido de efeito suspensivo para tentar reformar a decisão no Pleno do STJD.

 
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »