11/10/2016 às 18h11min - Atualizada em 11/10/2016 às 18h11min

Após confissão de Nadaf, justiça autoriza reinterrogatórios de Silval e Cursi sobre esquema da Sodoma

Paulo Victor /Fanaia Teixeira
Olhar Direto
A juíza da Sétima Vara Criminal, Selma Rosane Arruda, deferiu os reinterrogatórios pleiteados pelas defesas de Silval da Cunha Barbosa, ex-governador do Estado, Marcel Souza de Cursi, ex-secretário de Fazenda e do ex-chefe de gabinete, Silvio César Corrêa Araújo, em ação penal oriunda da “Operação Sodoma I”. 

Os pedidos foram realizados tendo em vista a nova postura do ex-chefe da Casa Civil, Pedro Jamil Nadaf, de confessar seus crimes e denunciar os demais réus. Ainda, a magistrada negou acareação entre o empresário, vítima e delator, João Batista Rosa, Pedro Nadaf e Marcel de Cursi. 

No dia 21 de outubro, às 9h30, será reinterrogado Silvio César Corrêa Araújo. Em seguida, Marcel de Cursi, no dia 25, no mesmo horário e por fim, Silval da Cunha Barbosa, em 04 de novembro, também pela manhã. 

As três solicitações foram feitas para preservar o direito constitucional ao contraditório, principalmente, pois Pedro Nadaf trouxe referências a estas pessoas. 

Entenda o Caso: 

No processo relativo a "Operação Sodoma 1", as investigações versam sobre uma suposta organização criminosa voltada à prática de crimes contra a administração pública e lavagem de dinheiro, por meio de fraudes em incentivos fiscais. Além do ex-governador Silval Barbosa, do ex-secretário de Fazenda Marcel de Cursi e do ex-secretário de Casa Civil, são réus no processo Silvio Cezar Corrêa Araúju, Francisco Andrade de Lima Filho e Karla Cecília de Oliveira Cintra.

Consta da investigação que a antiga Secretaria de Estado da Indústria e Comércio, Minas e Energia (Sicme), atual Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Sedec), teria concedido incentivos fiscais, via Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial (Prodeic), de forma irregular, para algumas empresas. 

A irregularidade foi confirmada pelo empresário João Batista Rosa, colaborador (inicialmente delator premiado) no caso e dono da Tractor Partes, que entregou irregularmente a quantia de R$ 2,6 milhões para obter incentivo.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »