15/12/2016 às 17h05min - Atualizada em 15/12/2016 às 17h05min

Fávaro: Governo precisa melhorar interlocução com o Legislativo

Vice-governador afirma que é necessário estabelecer uma relação “mais forte” com os Poderes

MÍDIA NEWS
ÉRIKA OLIVEIRA
Marcus Mesquita/MidiaNews

O vice-governador e secretário de Estado de Meio Ambiente, Carlos Fávaro (PSD), afirmou que o Governo precisa melhorar a interlocução, ou seja, o diálogo entre o Executivo e os demais Poderes.

Segundo Fávaro, embora o Governo tenha uma base aliada “muito fiel” dentro da Assembleia, é necessário fortalecer a relação com o Legislativo.

“Eu acho que um erro que precisa ser superado e o governador está determinado a isso é a gestão política do Governo”, disse em entrevista ao programa O Livre, apresentado pelo jornalista Augusto Nunes.

Na entrevista, o vice-governador voltou a atribuir os problemas enfrentados pela atual gestão a uma “herança maldita” deixada pelo ex-governador Silval Barbosa.

Precisa ter uma interlocução mais forte (...) Eu acho que essa é a grande dificuldade do Governo

Além disso, para Fávaro, somados ao legado deixado pelo Governo anterior, estão os sintomas das crises econômica e política que afetaram diversos Estados, incluindo Mato Grosso.

“O Governo tem uma base aliada muito forte e que está ajudando a superar esse momento difícil. Mas precisa ter uma relação mais forte entre o Legislativo e o Executivo e também os Poderes”, considerou.

“Precisa ter uma interlocução mais forte, para que todos, unidos, possam superar esse momento de crise. Eu acho que essa é a grande dificuldade do Governo”, completou.

Governo com novo perfil

Fávaro ressaltou, ainda, a ausência de secretários com um perfil político no staff do governador Pedro Taques (PSDB). O que, segundo ele, comprova a tese de que não é preciso ceder a pressões políticas para conduzir o Governo.

“Não precisa [ceder]. O exemplo disso é que o governador Pedro Taques tem uma base aliada muito forte, que votou todas as medidas que foram enviadas à Assembleia. E nós, praticamente, não temos secretários políticos. Não houve concessão”, frisou.

Recentemente Taques passou a nomear secretários com um perfil político para comandar algumas Pastas.

Na chamada Reforma Administrativa, que ainda está em andamento, ele nomeou o deputado o deputado Max Russi (PSB) para o comando da Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social (Setas) a partir de janeiro do ano que vem.

Outro político que agora integra o secretariado do governador é o deputado Wilson Santos (PSDB), que assumiu a Secretaria de Cidades no lugar do arquiteto Eduardo Chiletto.

Questionado se o governador estaria “quebrando uma promessa de campanha” ao fazer tais alterações no Governo, Fávaro ponderou.

“A Secretaria de Cidades continuará com o perfil técnico, porque o Wilson foi um grande prefeito de Cuiabá e conhece da gestão pública. Ele tem o perfil técnico necessário para ser secretário, mas também tem o perfil político”.

“O governador tem habilidade política, tanto é que está vendo que precisa politizar um pouco mais o Governo. E eu acho que ele está fazendo isso na hora certa”, pontuou.  


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »