05/12/2019 às 16h10min - Atualizada em 05/12/2019 às 16h10min

MPF quer que Dnit consulte índios sobre traçado de rodovia em MT

Ministério Público Federal investiga o caso desde o ano passado, após receber carta de indígenas

REDAÇÃO
A BR-242 foi projetada na década de 70 e ainda não está totalmente pavimentada (Reprodução)

O Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF) recomendou ao Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit) que consulte os povos indígenas interessados para a definição do traçado da rodovia BR-242/MT, que deve passar na região do Parque Nacional do Xingu.

 

Projetada ainda na década de 70, a BR-242 é uma rodovia transversal brasileira cujo traçado se estende da Bahia até Mato Grosso, o Município de Sorriso.

 

A recomendação foi feita por meio do Ofício de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais.

 

O órgão deve ainda assegurar a participação da Funai e do Iphan no processo de licenciamento, para viabilizar os estudos e as informações técnicas necessárias para a tomada de decisão por parte dos indígenas.

 

A obrigatoriedade de consulta prévia para empreendimentos que impactem sobre terras ou comunidades indígenas está expressa no artigo 6º da Convenção no 169 da Organização Internacional do Trabalho.

 

O MPF investiga o caso desde 2018, em inquérito civil instaurado a partir de carta apresentada por lideranças indígenas das etnias Waurá e Ikepeng e representantes da Funai, do Instituto Homem Brasileiro (IHB) e da Comissão Pró BR-242/MT.

 

No documento, o grupo apresentava proposta de alteração do traçado da rodovia na altura do curso dos rios Batovi e Jatobá, com o fim de preservar áreas consideradas sagradas (Gruta Kamukuwaká e a Pedra da Anta).

 

A partir do inquérito civil, foram requisitadas informações ao Dnit, que se mostrou disposto a adequar o projeto de empreendimento rodoviário. Até o momento, no entanto, não se teve notícia da realização de consulta, prévia, livre e informada às comunidades indígenas que sofrerão os impactos decorrentes da obra, nem mesmo para averiguar se o novo traçado, distante 1.600 metros do local, é adequado.

 

Diante disso, o MPF aguarda resposta do Dnit quanto ao acatamento da recomendação, bem como informações atualizadas acerca do andamento da licença prévia dos lotes 5 a 11 da BR-242/MT, especificamente quanto aos desvios do traçado para preservação da caverna Kamukauká e demais áreas sagradas identificadas.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »