14/01/2020 às 17h43min - Atualizada em 26/01/2020 às 00h06min

Quais os riscos para a bolsa no ano de 2020?

A maior parte dos analistas concorda em prever um ano de 2020 favorável, com base em um brilhante ano bolsista de 2019

DINO
http://www.carmignac.com

Exatamente há um ano, a forte queda registrada nos mercados de ações tornou a maioria dos analistas mais prudentes, o que, em retrospectiva, transformou a previsão anual para uma perspectiva mais humilde. Seja como for, a maior parte dos analistas concorda em prever um ano de 2020 favorável, com base em um brilhante 2019.

Não faltam argumentos: a China e os Estados Unidos chegaram a um primeiro acordo comercial que, apesar de modesto, reduz a incerteza geral e extingue qualquer percepção de um risco de deslize catastrófico em 2020. O mesmo se aplica ao Brexit: a sensação de que o pior foi evitado prevalece sobre a análise das restantes dificuldades ainda não superadas. Para permanecer politicamente ativo, Donald Trump fará tudo em 2020 para concorrer às eleições presidenciais, com uma economia norte-americana forte e índices de ações elevados. Em termos econômicos, alguns indicadores estão de acordo com o diagnóstico de um ponto abaixo do miniciclo iniciado em 2016, que deverá dar lugar a uma recuperação nos próximos meses, como foi o caso após as desacelerações de 2011/2012 e de 2014/2015. Quanto às avaliações, os analistas concordam que estão elevadas, mas enquanto as taxas de juros permanecerem baixas, o "prêmio de risco", ou seja, o excesso de rendimento gerado pelas ações face às opções de renda fixa, faz dos mercados de ações a classe de ativos desejada por predefinição. Isto é expresso pela sigla TINA "There Is No Alternative" ("Não há alternativa"), que está na boca de todos os interventores dos mercados.

No entanto, também é importante tirar proveito desta ‘trégua’ nos receios de uma recessão iminente de regresso às questões estruturais, que são facilmente esquecidas quando não apresentam consequências imediatas e que ressurgem com toda a sua força quando todos os interventores dos mercados estão de olho no acontecimento mais recente.

Para os poupadores, estas questões de fundo giram em torno da incapacidade de o mundo se recuperar completamente da grande crise financeira de 2008. O motivo é muito simples: em resposta a este momento histórico, os governos tiveram que se endividar como nunca para salvar um setor bancário, cuja explosão teria mergulhado o Ocidente em tormentos semelhantes aos da crise de 1929. Sobrecarregados com este fardo, sem qualquer margem de manobra orçamentária, consequentemente estes governos tiveram de confiar aos bancos centrais a tarefa de relançar a atividade econômica, severamente abalada pela grande crise.

O método utilizado foi audacioso e astuto: o FED (o banco central americano), seguido pelo Banco do Japão, pelo Banco Central Europeu (BCE) e pela maioria dos bancos centrais do mundo, colaborou para aumentar os preços dos ativos financeiros. A ideia era que o aumento do valor destes ativos criasse um "efeito de riqueza" para os seus titulares, que poderiam voltar a consumir por se sentirem mais ricos, reativando a máquina econômica. Ao aumentar primeiramente os preços dos ativos de renda fixa (com os bancos centrais propondo-se frequentemente como compradores diretos), todos os ativos financeiros foram beneficiados. O problema reside no fato de que, apesar dos ativos financeiros desafiarem as leis da gravidade durante muito tempo, pois não existem limites efetivos da quantidade de compras que um banco central pode realizar, não se pode dizer o mesmo da economia real: sem investimentos produtivos, sem crescimento do emprego e dos rendimentos profissionais, não há criação de riqueza. Apenas os titulares de ativos financeiros puderam tirar proveito deste "efeito de riqueza", de modo que o crescimento econômico real não esteve à altura da alta dos mercados financeiros. Consequentemente, há alguns anos tem se desenvolvido uma revolta da classe média contra o aumento considerável das desigualdades nos últimos trinta anos, agravada ao longo da última década, do Chile até à França, passando pelos Estados Unidos. Atualmente, a pressão sobre os governos para que quebrassem as promessas que fizeram após a grande crise de 2008 e, finalmente, aumentassem os gastos, tem se intensificado.

Nesse setor, é provável que os Estados Unidos possam antecipar a Europa e fazer muito mais. Comparativamente à Europa, o FED terá muito mais margem de manobra para financiar diretamente as suas despesas. É certo que este financiamento do déficit orçamental por parte de um banco central levantará todo o tipo de objeções (desta vez é a virtude do FED, isto é, a sua independência, que suscitará questões), mas seguindo a máxima de "os fins justificam os meios", esta será a única opção que permite realizar um estímulo orçamental sem provocar um "crash" das rendas fixas. Além disso, as eleições presidenciais de 2020 permitirão a todos os candidatos prometerem programas de estímulo orçamental de salvação assim que tomem posse. Com atraso, o mesmo problema exigirá a mesma solução na Europa. Será necessário ultrapassar várias resistências, incluindo culturais que, em particular, Christine Lagarde terá que superar. Mas mesmo os países historicamente mais virtuosos terão de concordar que uma recessão está claramente proibida devido ao nível de endividamento dos países mais frágeis.

Com os Estados Unidos na vanguarda, esses excedentes do banco central que financiam abertamente os déficits do seu governo (em linguagem econômica: "monetizando" essa dívida) poderiam causar uma quebra na confiança no dólar e favorecer o preço do ouro. Assim, os programas de estímulo econômico mais sólidos deverão contribuir para aumentar as taxas de juros, mas a intervenção dos bancos centrais consistirá em evitar um colapso dos mercados de renda fixa. Logo, deveria haver espaço para uma gestão ativa das rendas fixas capaz de explorar um novo aumento da volatilidade desta classe de ativos. Quanto aos mercados de ações, espera-se que retornem para onde o crescimento for mais forte, o o que novamente favoreceria os Estados Unidos. Atualmente, os mercados de ações já estão caros e uma gestão passiva centrada na continuação de um mercado em alta universal, sem distinção de mérito, poderia ser muito decepcionante.Por enquanto, a esperança que prevalece é que o longo e árduo progresso econômico dos últimos dez anos seja salvo pela terceira vez in extremis. Isto poderá ser suficiente em curto prazo.



Website: http://www.carmignac.com
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »