13/10/2016 às 06h12min - Atualizada em 13/10/2016 às 06h12min

Fávaro solicita celeridade na homologação da situação de emergência de municípios

Redação
Página Press
Divulgação

Em visita a Brasília na terça-feira (11.10) o vice-governador Carlos Fávaro solicitou ao Ministério da Integração Nacional (MI) que homologue de forma célere a situação de emergência decretada por 29 municípios mato-grossenses. A não oficialização estaria interferindo na renegociação do crédito rural dos produtores das regiões afetadas pela seca no Estado.

Conforme o vice-governador, o Governo Federal percebeu a dificuldade da principal fonte da base econômica do Estado de Mato Grosso, que é o setor produtivo, em honrar os seus compromissos e investimentos. Isso se deu em função da seca recente que prejudicou a safra de soja 2015/2016.

“Trouxemos a pauta junto ao ministro da Agricultura Blairo Maggi, que conhece o problema e comprou prontamente um pedido de prorrogação das parcelas de investimentos de 2016, mas isso está lastreado na validação dessas emergências pelo Ministério da Integração Nacional”, explica Fávaro.

A intenção do Governo do Estado é que os  produtores mato-grossenses tenham a tranquilidade de prorrogar a parcela dos pagamentos de investimentos de 2016, e se manter na atividade, continuar produzindo, gerando riqueza, e conseguir recuperar economicamente o setor do agronegócio.

Ele afirma que, dos cerca de 6 mil produtores de milho, soja e algodão de Mato Grosso, os que sofreram os problemas climáticos estão habilitados a renegociar as parcelas nos principais municípios produtores. “A melhor coisa que existe pra um produtor é saldar em dia os seus compromissos. Mas aqueles que tiveram problemas climáticos têm amparo da Lei, do governo federal, e o apoio do governo estadual para sair desse momento difícil da sua atividade”.

“O produtor entra em inadimplência e fica com impossibilidade de acessar novos créditos e custeio, e voltar a produzir com tranquilidade que é a sua verdadeira função. Por isso, esse momento é decisivo no inicio do plantio, buscando a homologação desses decretos de emergência".

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Outro pleito levado à Explanada dos Ministérios é que o Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) destine pelo menos 10% dos recursos para as cooperativas de crédito, pois é mais fácil acesso para o produtor rural.

“Por exemplo, temos em Mato Grosso 25 municípios que não possuem agências bancárias, apenas cooperativas de crédito. Por isso tendo apenas 10%, todos os estados do Centro Oeste terão as cooperativas de crédito como grande parceiro para financiar”, explicou o vice-governador.

Suinocultura

Para o setor de suinocultura, a solicitação  é que os 10% que podem ser destinados para as cooperativas sejam utilizados para dar fôlego à criação de suínos em Mato Grosso, que sofre com a falta de crédito devido a baixa rentabilidade. 

“Como investimento, as cooperativas podem financiar a retenção de matrizes com um prazo maior de seis anos para pagamento, com três anos de carência, para dar um fôlego para a suinocultura mato-grossense”, conta. Ambas as pautas também foram discutidas com os deputados federais Adilton Sachetti e Nilson Leitão, que levaram para apoio da bancada federal junto à cobrança ao MI.

A última agenda do vice-governador em Brasília foi no Ministério das Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação com o ministro Gilberto Kassab. Na ocasião, Fávaro solicitou a ajuda do ministro para solucionar o problema de deficiência de internet em municípios de Mato Gross. Deixou com Kassab uma relação com 13 demandas que ele tem recebido em visitas no interior. Em resolução, Kassab se comprometeu de ir pessoalmente com o senador José Medeiros na semana que vem na Anatel.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »