02/03/2021 às 09h49min - Atualizada em 02/03/2021 às 09h49min

PF deflagra operações contra garimpos; grupos movimentam mais de R$ 100 mi

A Polícia Federal busca arrecadar provas para aprofundar a investigação e apreender o patrimônio adquirido por meio do crime.

REDAÇÃO
Divulgação

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (2), duas operações para combater a comercialização ilegal de ouro, proveniente de garimpos clandestinos. Os agentes cumprem cinco mandados de busca e apreensão e três de prisão temporária expedidos pela 5ª Vara Federal de Cuiabá, na operação Ouro Sujo, deflagrada em Pontes e Lacerda (a 442 km de Cuiabá) e Vila Bela de Santíssima Trindade (a 520 km da Capital).

O grupo investigado realizou movimentações financeiras suspeitas que atingiram o montante de R$ 100 milhões em menos de cinco anos. Em um dos casos, o investigado utilizou as contas bancárias de sua filha de nove anos de idade, para movimentar quase R$ 10 milhões de reais em dois anos.

A Polícia Federal busca arrecadar provas para aprofundar a investigação e apreender o patrimônio adquirido por meio do crime.
A Justiça Federal também determinou o sequestro de imóveis e veículos, bloqueio de contas bancárias e até a suspensão das atividades de uma empresa que estaria atuando como se fosse uma instituição financeira clandestina em Pontes e Lacerda.

O nome Operação Ouro Sujo é referência a clandestinidade da extração e comercialização do ouro.

Operação Papagaio de Ouro - 3ª fase

A PF cumpre ainda na manhã de hoje, a terceira fase da Operação Papagaio de Ouro. Ao todo são cumpridos treze mandados de busca e apreensão e um de prisão temporária, na Capital e nos municípios de Várzea Grande, Pontes e Lacerda e Peixoto de Azevedo. Os mandados foram expedidos pela 2ª Vara Federal de Cáceres.

De acordo com informações da PF, essa investigação é desdobramento da Operação Papagaio de Ouro que foi deflagrada em 2020 e prendeu os responsáveis por um garimpo clandestino em Nova Lacerda, havendo suspeitas que tenham extraído e comercializado mais de uma tonelada de ouro de forma ilícita.

A terceira fase mira os responsáveis por adquirir ilegalmente o minério extraído desse garimpo. As investigações principiadas pela Polícia Federal apontam que o ouro ilegal seria “esquentado” através da mistura com o de procedência legal, dificultando o rastreio de sua origem.

Operação Papagaio de Ouro faz referência ao Córrego do Papagaio, local onde a investigação teve início, em que a Polícia Federal recebeu uma denúncia de que a área estava sendo poluída com os rejeitos de um garimpo ilegal.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »