04/08/2021 às 21h30min - Atualizada em 04/08/2021 às 21h30min

Empresário que passou dias em frente a hospital perde a esposa para covid

Cristiane Fagundes Hahn morreu na tarde desta quarta-feira (04) na UTI do Hospital Metropolitano, em Várzea Grande.

MÁRIO ANDREAZZA
Jarcedi passou 24 dias esperando a esposa em frente ao hospital, mas nesta quarta (04) Cristiane não resistiu mais. (Reprodução)

Cristiane Fagundes Hahn, 42 anos, esposa do empresário Jarcedi Hahn, 52, não resistiu à covid e teve a morte constatada na tarde desta quarta-feira (04) no Hospital Metropolitano, em Várzea Grande. Ela estava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde o dia 11 de julho.

O caso de Cristiane ficou muito conhecido a partir do momento em que Jarcedi comoveu toda a população com a iniciativa de, desde o primeiro dia de internação, ficar sentado numa cadeira no gramado em frente ao hospital, onde “esperava” pelo restabelecimento da esposa.

O empresário comunicou a morte da mulher à familiares e amigos por meio de um áudio divulgado em grupos de WhatsApp num discurso emocionante em que é perceptível a voz embargada.

“Boa noite pessoal, primeiro queria agradecer a todos pelo empenho em orações pela Cristiane. Sei que os médicos fizeram tudo o que poderia ser feito, tudo que poderíamos fazer foi feito, mas infelizmente era a hora dela. Então a ‘Cris’ já não está entre nós, claro que ela está num lugar melhor que o nosso, mas eu queria que ela estivesse aqui. Deus preferiu levar ela. Obrigado por tudo e vamos arrumar ela para levar para nossa Sapezal”, comunicou Jarcedi.

Cristiane teve o quadro clínico agravado em Sapezal e foi transferida para o hospital referência no dia 11, onde segue o tratamento na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Ela não tinha comorbidades, porém, a doença avançou com muita rapidez em seu organismo. Chegou a ser extubada, no entanto, foi intubada novamente e receberia a traqueostomia.

“Neste tempo em que fizeram a extubação dela, Cristiane conversou, sorriu, chorou”, contou Jarcedi.

Em um gesto de amor incondicional, há 24 dias o empresário colocava uma segunda cadeira ao lado da dele, levava chimarrão e ficava ali sentado aguardando a esposa “voltar” e fazer companhia a ele, como era a rotina do casal.

Toda manhã a gente levantava cedo e antes de trabalhar fazíamos algum serviço da casa e sentávamos para tomar um chimarrão", disse emocionado.

Além do marido, Cristiane deixa três filhos.

Como comunicou Jarcedi, o corpo será transladado à cidade de Sapezal, onde o casal vivia e será realizado velório e sepultamento.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »