24/09/2021 às 15h14min - Atualizada em 25/09/2021 às 00h00min

ARTIGO: O que é o dia mundial sem carro para quem não tem carro?

Por Luisa Peixoto, especialista da mobilidade e políticas públicas da Quicko

SALA DA NOTÍCIA Luisa Peixoto
www.quicko.com.br
Luisa Peixoto/Quicko

A utilização massiva do carro gera muitas externalidades negativas para as cidades. Desincentivar a posse do automóvel, portanto, é uma política essencial para a promoção de uma mobilidade mais eficiente, acessível e sustentável. O Dia Mundial Sem Carro, celebrado no dia 22 de setembro, estimula as pessoas a deixarem seus carros em casa com a intenção de promover uma mudança de atitude na sociedade e nas pessoas responsáveis por planejarem as cidades. A data é extremamente importante para a realidade brasileira, onde as políticas públicas urbanas ainda priorizam a utilização do automóvel particular.

Segundo dados do Instituto de Energia e Meio Ambiente (Iema), em São Paulo os carros e automóveis individuais são responsáveis por apenas 30% das viagens urbanas, mas são responsáveis por 72,6% das emissões de gases do efeito estufa do setor de transporte. Porém, os males de uma cidade pensada para os carros vão muito além das mudanças climáticas. Podemos sentir os efeitos do automóvel na forma como as cidades são estruturadas para eles: enquanto os carros ocupam 88% dos espaços das vias, os ônibus - que transportam cerca de 35% das pessoas (Pesquisa Viver SP 2020 -Rede Nossa São Paulo) – tem apenas 3% das vias destinadas para este modal. 

Quando paramos para pensar sobre o uso do carro, estamos falando de apenas 1/3 da população, já que esta é a parcela de pessoas das grandes cidades que usam automóveis para se deslocar todos os dias. Aí, começamos a refletir: “o que é o dia mundial sem carro para quem não tem carro?”. Afinal, para muitas pessoas, essa data é uma realidade do dia a dia, e não uma escolha. Só na região metropolitana de São Paulo, antes da pandemia, o transporte público fez mais de 42 milhões de viagens todos os dias (Pesquisa OD 2017), e grande parte da população não tem a opção de escolher como se deslocar, mas ainda sonha em ter um carro próprio como um modelo de libertação das dificuldades do deslocamento urbano. 

Uma pesquisa feita pela Rede Nossa São Paulo, em 2019, apontou que 72% da população da cidade declarou preferir o uso de carro. A pesquisa indica ainda que é possível notar que a utilização desse modal é maior quanto mais altas são a classe social, a renda e a escolaridade dos pesquisados. A escolha de ter um carro ainda é vista como um privilégio de poucas pessoas na nossa sociedade – que de fato, apenas pequena parte da sociedade tem condições financeiras de comprar um. Portanto, focar apenas nessa mensagem é agir somente no contexto das classes mais altas. 

O mês da mobilidade é uma oportunidade para extrapolarmos o conceito do dia mundial sem carro e falarmos da qualificação do sistema de mobilidade como um todo. Para que mais pessoas enxerguem benefícios claros em deixar o carro e que outros não sonhem em abandonar o transporte coletivo, precisamos oferecer opções de transporte qualificadas e acessíveis a todos. 

Atualmente, já vimos como a tecnologia permitiu a abertura do mercado de serviços de mobilidade, ampliando as opções de deslocamento e a acessibilidade das pessoas. No entanto, precisamos urgentemente integrar esses mesmos recursos tecnológicos – informações em tempo real, pagamentos digitalizados, compartilhamento de informações – ao sistema de transporte público. Trabalhar pela qualificação da experiencia no transporte público é trazer dignidade para o dia a dia de quem usa o transporte, é atrair mais pessoas para tomarem decisões mais sustentáveis. Mas é, acima de tudo, fazer da opção mais fácil para o indivíduo a melhor alternativa também para a sociedade.  

Portanto, no mês da mobilidade, vamos falar em priorizar quem já usa o transporte coletivo, vamos falar da maioria da população que não tem escolha e que precisa de mais dignidade. 


 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »