04/02/2018 às 15h57min - Atualizada em 04/02/2018 às 15h57min

Homem é chamado pelo nome, abre a porta e é executado a tiros

Gazeta Digital
Welington Sabino
Varlei Cordova/AgoraMT
Um homem de 29 anos foi executado a tiros no município de Rondonópolis (212 Km ao sul de Cuiabá), na noite deste sábado (3). Rodrigo da Costa Cipriano foi baleado na frente de casa, no bairro São Sebastião, quando abriu a porta para ver quem estava chamando-o pelo nome.

De acordo com o site Agora MT, as informações, de que o assassino chegou, chamou Rodrigo e depois atirou fugindo a pé na sequência, foram repassadas pela mãe da vítima à Polícia Militar. Josina Oliveira Costa também estava em casa e relatou que um homem chegou em frente da residência e chamou o filho dela pelo nome.

Rodrigo então abriu a porta a foi atender. Na sequência, a mulher ouviu os disparos e viu o filho baleado correr para dentro de casa enquanto o atirador fugia a pé sentido bairro Nossa Senhora do Amparo.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e socorreu Rodrigo ainda com vida. Levado ao Hospital Regional ele não resistiu e morreu horas depois.

Conforme a própria mãe de Rodrigo relatou à Polícia, ele “só tinha passagens na Polícia por Maria da Penha” e que não sabe o que pode ter motivado o crime contra o seu filho.

Histórico

Conforme consulta no site do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Rodrigo é ex-presidiário e além de processos por violência doméstica ainda em andamento, Rodrigo já foi condenado a dois anos de reclusão e 24 dias-multa pelo crime de porte ilegal de arma de fogo. A pena privativa de liberdade, no entanto, foi substituída por uma restritiva de direitos, consistente no pagamento de prestação pecuniária no valor de dois salários mínimos vigente na data da condenação imposta em abril de 2015. A ação penal tramitou na 2ª Vara Criminal de Rondonópolis.

Conforme os autos, em 14 de abril de 2012, em Rondonópolis, Rodrigo e outros 3 denunciados portavam e transportavam 4 arma de fogo, sendo dois revólveres calibre 38, com 12 munições do mesmo calibre, um revólver calibre 32 com 5 munições do mesmo calibre e um) revólver calibre 357 com 6 munições do mesmo calibre, os quais foram devidamente apreendidos e periciados.

A Polícia Militar na época, depois de receber informações sobre uma tentativa de homicídio numa padaria no bairro Jardim Participação, foi ao local e recebeu informação de que alguns homens num veículo Santana, de cor verde e vidros escuros, teriam saído dali com objetivo de encontrar os possíveis autores da tentativa de homicídio.

Durante as diligências, os policiais receberam informação de que os ocupantes do Santana efetuavam disparos com arma de fogo na região do Jardim Ipiranga. A polícia militar saiu à procura do veículo e assim que o encontrou, deu ordem de parada, mas o motorista continuou dirigindo até a Rua Maruf Mehi, onde parou o carro e 5 homens desceram, entre eles, Rodrigo Cipriano. No interior do veículo, foram localizadas e apreendidas a 4 armas. Ao serem indagados, os próprios indiciados confirmaram estarem à procura dos autores do crime ocorrido na Padaria Letícia.

Rodrigo também já foi condenado por dirigir veículo automotor sem habilitação em 2009. Pelo delito, foi sentenciado a cumprir a pena de 6 meses de detenção, substituída por uma restritiva de direito e a pena de dois anos de reclusão e regime inicial semiaberto.

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »