22/02/2018 às 14h40min - Atualizada em 22/02/2018 às 14h40min

Cinco pontos sobre a Operação Integração, a nova fase da Lava Jato

A investigação de PF e MPF apura casos de corrupção ligados aos contratos de concessão de rodovias federais no estado do Paraná, que fazem parte do Anel da Integração

Gazeta do Povo
Eriksson Denk
Agentes da PF cumprem mandados de busca e apreensão em órgão do governo do Paraná (Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo)

Operação Lava Jato chegou à concessão de rodovias no Paraná e ao Palácio Iguaçu, sede do governo estadual. Policiais federais cumpriram 55 mandados de busca e apreensão e seis de prisão temporária nesta quinta-feira (22) em quatro estados: Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro e São Paulo. A investigação apura casos de corrupção ligados aos contratos de concessão de rodovias federais no estado que fazem parte do Anel da Integração, hoje composto por 27 praças de cobrança. A investigação apura desvios de pelo menos R$ 63 milhões e chegou à sede do governo do estado. Carlos Felisberto Nasser, assessor da Casa Civil, foi alvo de um mandado de busca e apreensão e o diretor do Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná (DER), Nelson Leal Júnior, foi preso. Confira os cinco principais pontos sobre a 48ª fase da Operação Lava Jato:

1) Os presos

Foram presos nesta quinta (22) Nelson Leal Júnior, diretor-geral do DER, Oscar Alberto Gayer da Silva, ex-funcionário do DER, Wellington de Melo Volpato, sócio da Eco Sul Brasil Construtora, Hélio Ogama, diretor-presidente da Triunfo Econorte, Leonardo Guerra, administrador da empresa Rio Tibagi, e Sandro Antônio de Lima, diretor financeiro da Triunfo Participações. Um dos investigados está fora do país. O nome dele é Paulo Garcez Beckert.

Nelson Leal Júnior comanda o DER desde 2013. O órgão é subordinado à Secretaria de Infraestrutura e Logística, pasta administrada por José Richa Filho, irmão do governador do Paraná, Beto Richa (PSDB). O Ministério Público Federal (MPF) afirma que Nelson Leal Júnior adquiriu, em dezembro de 2013, um apartamento em Balneário Camboriú (SC) por R$ 2.580.000,00. Mas, nas declarações de rendimentos relativas aos anos-calendário de 2013 a 2015, ainda segundo o MPF, não foi declarada a aquisição do imóvel. O procuradores também se debruçam sobre móveis, um veículo Mercedes Benz e aluguéis de embarcações.

O assessor da Casa Civil Carlos Felisberto Nasser foi alvo de um mandado de busca e apreensão no Palácio Iguaçu. O delegado Igor de Paula, da Polícia Federal (PF), disse que a investigação se limitou à mesa do funcionário. O assessor teria recebido R$ 2,8 milhões do esquema. Ele teria uma empresa de marketing de fachada.

Segundo o MPF, os investigados responderão por crimes de associação criminosa, corrupção ativa e passiva, lavagem, peculato e estelionato. O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, decretou o bloqueio de até R$ 20 milhões das contas dos investigados.

2) O que está sendo investigado?

A investigação apura casos de corrupção ligados aos procedimentos de concessão de rodovias federais no estado do Paraná que fazem parte do Anel da Integração. A investigação se debruça sobre o grupo Triunfo, dono da Econorte. Dados da quebra de sigilo bancário demonstraram que, entre 2005 e 2015, a concessionária recebeu aproximadamente R$ 2,3 bilhões provenientes de tarifas pagas pelos usuários. Deste valor, R$ 343 milhões foram repassados para uma subsidiária integral em contratos de conservação. Da subsidiária integral, R$ 110 milhões foram repassados a holding do grupo e, pelo menos R$ 63 milhões a empresas de fachada ou sociedades cuja prestação de serviços ou entrega de produtos não foi comprovada. A Receita Federal conseguiu identificar pelo menos R$ 56 milhões em desvios por meio de serviços fictícios.

Outras perícias técnicas realizadas pelo MPF demonstraram superfaturamento nos valores das obras das concessionárias constantes na proposta comercial. Conforme o laudo técnico, que utilizou como parâmetro a tabela do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (Sinapi), da Caixa Econômica Federal, em alguns itens das planilhas houve sobrepreço de 89% em relação ao valor de mercado. Para o MPF, essa “gordura” (excedente) era usada para pagamentos indevidos.

De acordo com os procuradores, o Tribunal de Contas da União (TCU) analisou os contratos em 2012 e encontrou inconsistências. O DER então contratou uma empresa terceirizada para fazer um estudo técnico. A empresa sugeriu redução da tarifa em 18%, mas o DER descartou o estudo, solicitou uma avaliação interna e a Econorte foi favorecida por dois termos aditivos e um termo de ajuste que aumentaram a tarifa paga pelo usuário em mais de 25%.

3) Quanto foi desviado?

De acordo com o MPF, a Econorte repassou pelo menos R$ 63 milhões para empresas de fachada ou sociedades cuja prestação de serviço ou entrega de produtos não foi confirmada. Uma das concessionárias investigadas tinha uma empresa irmã do mesmo grupo e essa empresa só existia em função da concessionária. “100% da receita corrente”, segundo o auditor da Receita Federal Roberto Lemos. “A concessionária terceirizava as despesas operacionais ordinárias”.

O procurador Diogo Castor de Mattos afirmou durante a coletiva de imprensa, no entanto, que o valor desviado “pode passar de R$ 100 milhões”. “Mas isso demandaria estudos técnicos mais aprofundados”, explicou.

4) Beto Richa envolvido?

Na coletiva de imprensa, os procuradores afirmaram que não é possível confirmar envolvimento de atores políticos no esquema, mesmo por negligência. Eles não mencionaram o nome do governador do Paraná. “Sempre reiteramos que a Lava Jato não tem cunho partidário. Nossa questão é investigar corrupção. Fatos envolvendo o PSDB estão sendo revelados há muito tempo. Não creio que haja diferença de tratamento em relação a qualquer partido”, afirmou o procurador Carlos Fernando Lima ao ser questionado sobre a relação da operação com os partidos.

Em nota, o governador do Paraná afirma que determinou a instauração de processo de investigação para o esclarecimento de eventuais irregularidades apontadas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal. A investigação será conduzida pela Controladoria Geral do Estado.

5) Lava Jato

O procurador Carlos Fernando Lima também afirmou nesta quinta-feira (22) que a investigação se debruça sobre uma “ferida aberta”. “Simplesmente é a tentativa de investigar uma ferida aberta no Paraná, que são as altas tarifas do pedágio”, afirmou. “Estamos tentando aprofundar as reais causas no Paraná, o preço tão elevado. Privatizações não necessariamente levam ao fim da corrupção. Há indicativos sérios de pagamentos a funcionários públicos. Há agentes públicos, não agentes políticos envolvidos por enquanto”.

O procurador disse que a Lava Jato não é uma investigação sobre a Petrobras. Ele explicou que a operação chegou à estatal petrolífera, assim como chegou a outros esquemas, inclusive envolvendo tráfico de drogas.

Os operadores Tacla Duran e Adir Assad já foram investigados na Lava Jato por lavagem de dinheiro, em fases envolvendo a Petrobras. Conforme o procurador Diogo Castor de Matos, Tacla Duran usava o escritório de advocacia dele e empresas prestadoras de serviço para fins ilícitos. A Econorte depositou R$ 1.005.714,50 em favor de Tacla Duran entre 2012 e 2014.

Já Adir Assad, segundo o MPF, tinha uma “estrutura gigantesca” de produção de dinheiro em espécie, segundo os procuradores. Empresas relacionadas ao Grupo Triunfo depositaram R$ 26 milhões para empresas de fachada do operador financeiro. A 48ª fase ocorre dentro do âmbito da colaboração premiada dele com a força-tarefa. Assad ajudou a identificar pessoas envolvidas no Grupo Triunfo.

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »